Silvano Agosti, um Cineasta Poeta e Projecionista.

Silvano Agosti é conhecido por seus filmes “Quartiere (1987), Uova di Garofano (1991) e L'uomo Proiettile (1995)”, nasceu em Brescia, Lombardia no dia 23 de março de 1938 e atuou no cinema italiano como diretor e também editor, além disso também é poeta. Sua paixão pelo cinema o faz querer conhecer a casa onde nasceu Charlie Chaplin, de lá Agosti parte como um peregrino de mochila em busca de conhecer o mundo, ele vive na Inglaterra, França, Alemanha e realiza ali os trabalhos mais braçais para acumular dinheiro e depois começar a andar; anda, anda até chegar no Oriente Médio e por fim no Norte da África. Ao retornar à Itália matricula-se em 1960, em Roma, no Centro Experimental de Cinematografia, tendo como colegas de classe Marco Bellocchio e Liliana Cavani. Seu curta-metragem “La Veglia” foi premiado com o Ciak D'oro (como melhor aluno) e com a bolsa de estudos que recebeu pelo prêmio, Agosti vai a Moscou fazer uma Especialização em Montagem, cujo norte de suas pesquisas naquele Instituto, foi o trabalho de Eisenstein. Se aplicou na técnica de roteiro, diálogos e edição, cujo pseudônimo que usava era "Aurelio Mangiarotti". Com o seu filme “Il Giardino delle Delizie“ censurado na Itália, foi homenageado pela Expo Universal em Montreal como um dos dez melhores filmes do mundo naquele ano. De 1976 a 1978, foi professor de montagem do Centro Experimental de Cinematografia de Roma, mas demiti-se em função de divergências com a instituição. É atribuído a Agosti no final dos anos setenta, a ideia de um espaço único (hoje muito comum), de encontro de Cineastas e que fosse uma referência para filmes de Autor, para tanto, ele assume um cinema no quarteirão Prati, e assim nasce o Espaço Azzurro Scipioni na rua Degli Scipioni, 82, em Roma.
A sua verve poética o leva a escrever vários romances e livros de poesia e um manual de como se fazer cinema com baixo orçamento, dentre suas obras literárias encontran-se: L'uomo Proiettile (nomeado para o Premio Strega), Il cercatore di Rugiada (nomeado para o Premio Strega), Uova di Garofano, Il semplice oblio (candidato para o Premio Strega); Manuali Breviario di Cinema, este últmo  aborda o assunto "Como fazer um filme sem dinheiro ou como fazer isso melhor, sem gastar sequer um único euro". Para TV Rai Agosti fez a série: 30 Anni di Oblio e 40 Anni, ele também colaborou em vários programas de televisão de Fabio Volo. Em seus filmes Agosti prefere cuidar pessoalmente da fotografia, roteiro e edição por acreditar que um Cineasta deve se interpor na criação de uma obra, a fim de que sua ideia original não seja comprometida pela intervenção de outros profissionais no processo, prevalecendo sempre àquela ideia do diretor. Agosti tem seu próprio cinema, onde também é o projecionista e dentre suas esquisitices, fez recentemente um pedido à UNESCO e a ONU a fim de que o Ser Humano fosse considerado Patrimônio da Humanidade.

Cena do filme Uova di Garofano, 1991 de Silvano Agosti.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Favor deixar seu comentário referente a obra aqui apresentada, evitando emitir opiniões muito pessoais sobre os filmes.